5 dicas para otimizar as suas compras de alimentos no supermercado

Para economizar tempo e dinheiro, é preciso adotar algumas estratégias no momento de comprar comida

Ir ao supermercado pode significar horas de estresse e dinheiro gasto sem necessidade para algumas pessoas, por não administrarem as suas compras de maneira otimizada. Neste momento de pandemia, é fundamental economizar tempo e dinheiro na hora de comprar alimentos, levando para casa apenas o necessário. 

A indicação é para ir ao mercado sozinho, só quando for necessário, ser objetivo em sua passagem e buscar os horários com menor fluxo de pessoas. Também, é preciso estar atento às medidas de segurança, levar álcool gel na bolsa para higienizar as mãos e manter o distanciamento mínimo dos outros frequentadores.

Para organizar a tarefa e facilitar a rotina, a coordenadora do Programa de Nutrição da Cassems (Pronutri), Eliana Nogueira, deixa algumas dicas:

1 – Faça um cardápio semanal

Para ter ideia dos itens e quantidades da compra, baseie-se no que a família consome semanalmente e anote os ingredientes necessários em cada refeição, do café da manhã ao jantar. 

2 – Organize a despensa

Para visualizar os alimentos que faltam em casa, é preciso saber quais já tem na despensa. Então, antes mesmo de sair de casa para as compras, organize a sua despensa, observe a data de validade dos produtos e quantidade de cada um, assim, evitará comprar ingredientes desnecessários.

3 – Monte uma lista

Anotar todos os ítens necessários para compra e quantidade que será comprada é um passo importante para não gastar tempo ou dinheiro desnecessariamente. Divida a lista por categorias, de acordo com a organização de seções de produtos no mercado, para evitar circular mais de uma vez no mesmo local. Desta forma, é possível ter em mente exatamente o que deve ser comprado e onde buscar cada ingrediente. 

4 – Fique de olho nas ofertas

Hoje em dia, nas redes sociais, as promoções de determinados supermercados estão sempre à vista dos seus clientes. Busque saber quando o supermercado que costuma frequentar oferece as melhores ofertas e se programe. Mesmo que consiga descontos pequenos em cada produto, eles fazem a diferença ao final da compra.  

5 – Coma antes de sair de casa

A dica é simples, mas ajuda bastante no momento das compras. Com o estômago vazio, é mais fácil cair na tentação de comprar produtos sem necessidade, pois eles podem parecer mais gostosos na hora da fome. Para evitar estourar o orçamento ou dar voltas no supermercado procurando itens que sequer estavam na sua lista, faça um lanche rápido antes.

Sarah Santos
Ascom Cassems

Especialista que atua no programa de prevenção ‘Casal Grávido’ fala sobre a importância do protagonismo paterno durante a gestação

Para melhor conduzir a gestação e os primeiros cuidados com o bebê, é recomendado que o pai seja uma figura presente

Vínculos afetivos, ainda durante a gestação, são essenciais para fortalecer laços entre pai e bebê, bem como evitar alguns transtornos para a saúde física e mental da mãe. Neste período de pandemia do Covid-19, mulheres gestantes, puérperas e bebês recém-nascidos fazem parte do grupo de risco da patologia, conforme aponta a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com esse cenário, a participação da figura paterna como protagonista e não apenas ajudante torna-se mais importante ainda. A pediatra que atua no programa de prevenção “Casal Grávido” da Cassems, Jheth Jeanne, fala sobre o assunto.

De acordo com Jheth, a participação do pai nos cuidados com o recém-nascido é fundamental. “O pai deve cumprir o seu papel não apenas na gestação, mas durante os primeiros cuidados, dando apoio à mãe na amamentação, auxiliando nos cuidados de higiene como banho e troca de fraldas e, claro, estando pronto para dar todo suporte emocional que essa nova mãe precisará”.

A pediatra também explica que, em alguns casos, ao chegar um bebê em casa, a família esquece dos cuidados com a mãe, que também está passando por um período de adaptação e necessita de uma rede de apoio atenta e cuidadosa.

“Quando o bebê chega em casa, pode ocorrer de deixarem a mãe de lado, pois a atenção da casa se volta para o recém nascido. No entanto, essa mãe precisa de afeto, compreensão e cuidado. O pós-parto pode ser difícil, cansativo, e o pai deve ser protagonista neste momento, junto da mãe”.

Durante os meses de pandemia do Covid-19, Jheth salienta que os cuidados com a mãe gestante, puérpera ou o bebê devem ser redobrados e a figura paterna é peça importante nos procedimentos de prevenção. “É preciso que a família evite sair de casa e, quando preciso for, use máscara. Ao chegar em casa, deve-se tomar banho, higienizar as mãos e vestir uma roupa limpa antes de tocar no bebê”.

Sarah Santos
Ascom Cassems

Em tempos de isolamento social, o ‘Dia do Abraço’ deve ser comemorado de outras formas

Com a recomendação de distanciamento, o afeto precisa ser demonstrado de outras formas, mas jamais pode ser esquecido

O Dia do Abraço, celebrado mundialmente no dia 22 de maio, ganha um significado ainda mais sensível e emblemático em tempos de isolamento social. Para manter o gesto de carinho, mesmo à distância, algumas medidas podem ser realizadas com criatividade e cuidado.

Para celebrar essa data, a Caixa dos Servidores realiza uma ação com os colaboradores da empresa. Na capital, os voluntários do projeto de humanização “Plantão da Alegria” realizam abraços à distância com os funcionários, para motivar e sensibilizar os trabalhadores da área da saúde durante este período. Virtualmente, colaboradores de diferentes cidades gravam vídeos uns para os outros oferecendo um abraço. Uma das prioridades do plano de saúde, neste momento de crise, é cuidar de quem cuida, sendo cautelosos com a saúde física e mental daqueles que ajudam a construir uma Cassems maior e melhor, à cada dia.

De acordo com a estagiária em Enfermagem, Agatta Line, atividades como essa contribuem para o enfrentamento deste período de pandemia, em que trabalhadores da saúde podem se sentir aflitos. “Estamos vivendo uma situação atípica, sentimentos estão muito apurados, medo, solidão, carência de um abraço. São ações como essa que acalentam o coração”.

A psicóloga Cristina Pires explica que a ausência da afetividade pode impactar negativamente a saúde mental de um indivíduo. “A falta de afeto pode trazer alguns sentimentos como o medo excessivo, a insegurança, a carência e a rebeldia. Por esse motivo, existem pessoas que se mostram tão distantes quando o assunto são os sentimentos e emoções”.

Cristina salienta, ainda, que o contato físico é mais importante, ainda, durante a infância. A recomendação para os responsáveis das crianças, durante o período de isolamento social, é de cuidado e carinho redobrado. “Crianças que não receberam afeto tornam-se adultos com alguns transtornos e usam o distanciamento como maneira de se protegerem”.

A psicóloga aponta como referência os especialistas em educação, Jean Piaget e Lev 

Vygotsky, que defendem que o modo como uma pessoa se relaciona com o mundo e com os outros influencia fortemente em seu processo de desenvolvimento. “Neste sentido, o afeto é importante não apenas para criar laços, mas para desenvolver pessoas amorosas e seguras, isso tem impacto positivo para toda a vida”.

Para celebrar o Dia do Abraço e expressar carinho por quem você gosta, acompanhe algumas dicas:

  • Faça uma chamada de vídeo com pessoas que não vê há algum tempo, em decorrência do isolamento social, e coloque os assuntos em dia.
  • Passe um tempo de qualidade com as pessoas que estão na sua casa. Afaste-se do celular por algumas horas e ofereça atenção total. Vocês podem fazer diversas atividades juntos.
  • Escreva e envie um texto para um amigo, ressaltando as suas qualidades e expressando quão importante é a relação de vocês.
  • Ofereça ajuda para uma pessoa do seu convívio que precise de subsídios para passar pelo período de isolamento social ou, apenas, de ser ouvida por alguém.
  • Realize um happy hour com um grupo de amigos, via chamada de vídeo. Combinem de ouvir músicas, comer ou assistir algo ao mesmo tempo durante a transmissão.

Sarah Santos
Ascom Cassems

3 receitas de bolos saudáveis da Cozinha Experimental para o fim de semana

Nutricionista responsável pela Cozinha Experimental escolheu receitas que aliam alto teor nutritivo, fácil preparo e baixo custo

A pandemia do coronavírus trouxe mudanças na rotina das pessoas e, com isso, a população mundial teve que encontrar novas maneiras de se adaptar à nova realidade. Antes da recomendação para o isolamento social, o fim de semana era indicado para atividades de lazer, como sair com os amigos, caminhar ao ar livre ou passear em locais de circulação coletiva, como shoppings. Agora, com as orientações de prevenção em saúde, é necessário ficar em casa.
O programa de prevenção da Cassems, “Cozinha Experimental”, realiza aulas de culinária saudável, com ingredientes acessíveis e fácil preparo. Os bolos são tradicionalmente conhecidos como preparações calóricas e com ingredientes nada saudáveis. No entanto, é possível encontrar versões nutritivas e saborosas, com substituições de ingredientes para um resultado menos calórico e mais rico em nutrientes.
Confiram as receitas da “Cozinha Experimental”:

Bolo integral de maçã
Ingredientes:
4 ovos
1/2 xícara de óleo
4 maçãs com casca
1 colher de café de bicarbonato
1 colher de chá de canela em pó
Modo de Preparo
Bater todos esses ingredientes no liquidificador. Depois de tudo misturado, acrescente 2 xícaras de chá de açúcar mascavo, bata um pouco para misturar, adicione 2 xícaras de chá de farinha de trigo integral e bata novamente para misturar. Se quiser, coloque nozes, uva passa, castanha ou nozes à gosto, misturado no creme. Por último, coloque 1 colher de sopa de fermento.

Bolo de Chocolate Low Carb
Ingredientes:
4 ovos
4 colheres (sopa) de óleo de coco
5 colheres (sopa) de xilitol ou açúcar de coco
1 xícara (chá) de cacau em pó
1 xícara (chá) de água
100 g farinha de amêndoas
1 colher de fermento em pó para bolos
Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes na sequência, com exceção do fermento, que deve ser inserido no final. Unte a forma com óleo de coco e cacau em pó. Leve ao forno médio por cerca de 30 minutos ou até o palito sair seco.
Dica: para deixar a preparação com cara de Brownie, adicione ¼ de xícara de nozes picadas com a massa ainda crua. Para variar, pode-se adicionar coco ralado. Conserve na geladeira ou congele.

Bolo funcional de laranja, côco e gengibre
Ingredientes:
1 laranja inteira, sem casca e sem caroços
3 ovos inteiros
1 xícara de leite vegetal
1 xícara de coco ralado seco
1/2 xícara de farinha de arroz
1/2 xícara de farinha de amêndoas, podem ser trituradas no liquidificador
1 colher de sobremesa de fermento em pó
1 colher de chá de gengibre fresco ralado
3/4 xícara de adoçante culinário, açúcar de côco, mascavo ou demerara
Modo de Preparo:
No liquidificador, bater a laranja, os ovos e o leite, até que vire uma mistura homogênea. Em um recipiente, juntar as farinhas, o adoçante e o fermento. Misturar. Juntar as 2 misturas e mexer bem. Colocar o gengibre ralado. Untar uma forma média com óleo de côco, colocar a massa e levar ao forno médio, em 180º, pré-aquecido, até dourar.

Sarah Santos
Ascom Cassems

Disque Dúvida Coronavírus atende beneficiários da Cassems em todo o estado

O canal de atendimento funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 18h

Em virtude da pandemia do novo coronavírus, a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems) oferece aos beneficiários de Campo Grande e Dourados o Disque Dúvida Coronavírus, canal exclusivo para dar orientações e esclarecimentos sobre o Covid-19. O serviço telefônico está em funcionamento há dois meses e conta com uma equipe de profissionais no atendimento.
Por meio do telefone 4001-6950, que funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 18h, o beneficiário será atendido por pessoas treinadas que vão tirar as dúvidas e, assim, evitar que ele se desloque até uma unidade de saúde sem necessidade.

Sarah Santos
Ascom Cassems

No dia do geriatra, especialista chama atenção para a saúde do idoso

A geriatria cuida da promoção de um envelhecimento saudável ao tratamento e reabilitação do idoso

O Dia do Geriatra é comemorado nesta sexta-feira, dia 15 de maio. A data faz alusão à especialidade médica que se dedica ao envelhecimento e cuidado com a saúde do idoso. O processo de envelhecimento impacta no comportamento orgânico e pede abordagens diferenciadas. Neste sentido, o geriatra auxilia o idoso e à sua família, nas orientações para o tratamento apropriado.
Ana Paula Penaforte, geriatra que atua na Clínica da Família Cassems, explica que os processos do envelhecimento são naturais. “O indivíduo vivencia o envelhecimento desde o útero da mãe, até os últimos dias de sua vida. É preciso ter essa consciência e buscar envelhecer de maneira saudável”.
Para a médica, é fundamental buscar a assistência à saúde de um geriatra ao chegar na melhor idade, para realizar a prevenção à saúde de maneira mais adequada. “Existem diferenças entre um organismo adulto e um mais idoso. Quando o especialista é treinado, especificamente, para acompanhar esse processo, os resultados podem ser melhores. Além disso, os cuidados com o paciente podem estar concentrados em um especialista apenas, ao invés de enviá-lo para diversos outros especialistas sem que tenha necessidade”.
Ainda, com o geriatra, é possível estabelecer uma relação de confiança entre médico e paciente. De acordo com Ana Paula, a família tem um papel importante nesse bom relacionamento.
“Aqueles que acumularam, ao longo da vida, diversas experiências boas e ruins com médicos, dependem muito de uma boa relação com o profissional, para estabelecer vínculo e o tratamento ser mais efetivo. A relação entre médico e paciente é uma das questões mais importante para o sucesso das terapias, sejam medicamentosas ou não. No caso do paciente idoso, a relação com a família também se faz importante, porque muitos deles acabam dependendo dos familiares, de acordo com as patologias que eles têm. Além do paciente, os familiares devem estar interligados com o geriatra, para interagir em um bom nível com o médico”.

Miriam Ibanhes
AssCom Hospitais Cassems

Estrutura de atendimento Covid-19 do HCCG é tema de palestra no IBES

Estrutura de enfrentamento ao Covid-19 implementada pelo Hospital Cassems de Campo Grande será um dos destaques do 1º Fórum Nacional sobre o Coronavírus a ser realizado pelo Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde

O Fórum será realizado nos dias 19 e 20 de maio, em plataforma online, e vai abordar as formas de agir frente a maior pandemia dos últimos tempos, desde o planejamento até os processos de retomada da rotina de assistência em saúde. O evento foi dividido em três fases: a primeira tratará sobre as ações prévias à pandemia, com o tema Governança e Preparação para a Crise. A segunda fase é um Diagnóstico e Ações Durante a Pandemia. A terceira e última fase é o Planejamento da Retomada Pós-Crise.
Andreza Camargo, enfermeira do setor de Qualidade do Hospital Cassems de Campo Grande e membro do Comitê de Crise e Enfrentamento ao Covid-19, representará a unidade hospitalar e abordará o tema: a mudança estrutural e os processos de gestão da qualidade na preparação para atendimento da Covid-19, dentro da primeira fase do Fórum. Durante a palestra, a enfermeira falará sobre o desafio de planejar e executar ações de resposta rápida que sejam eficazes e, ao mesmo tempo, proporcionem melhoria da qualidade, identificando deficiências e soluções que contribuam o enfrentamento de uma crise de proporções da pandemia do Covid-19.
No Hospital Cassems de Campo Grande, mesmo antes do aumento dos casos de Covid-19 no Mato Grosso do Sul, as equipes de profissionais do Hospital Cassems de Campo Grande começaram a se movimentar para o planejamento de ações integradas para o atendimento de pacientes suspeitos e confirmados com o novo coronavírus. Andreza explica que a gestão da qualidade, em conjunto com o trabalho da equipe multidisciplinar nesse período de pandemia visou, principalmente, “incorporar métodos de prevenção e controle, bem como estratégias de melhoria promissoras na preparação, vigilância, estruturação de fluxos, processos, controle e gerenciamento de riscos na assistência em saúde, mobilizando pessoas estruturas e tecnologias”.
Desde o mês de janeiro deste ano as equipes discutiram os protocolos a serem aplicados e também a criação de uma estrutura especial para o atendimento seguro dos casos respiratórios, de forma que se pudesse realizar a separação dos possíveis casos de Covid-19 de outros pacientes com sintomas de doenças diversas, diferentes do coronavírus, que resultou na implementação de um Hospital de Campanha com capacidade para 30 leitos.
A estrutura interna da unidade hospitalar também sofreu algumas modificações: o sexto andar, com 24 leitos, foi separado para internação clínica dos casos de menor complexidade e a Unidade de Tratamento Intensivo ganhou um reforço de mais dez leitos para os casos mais graves. Além disso, o Hospital recebeu sinalização específica, de forma a garantir a segurança do paciente, evitando contaminações, tanto de colaboradores quanto de outros pacientes.
O diretor clínico do Hospital Cassems de Campo Grande, Marcos Bonilha, considera que a estrutura montada pela unidade para o atendimento aos pacientes sintomático respiratórios vai além da simples estruturação externa. Embora seja uma estrutura bastante robusta, com cerca de 600 metros quadrados de construção, com uma sala ampla de recepção, dois consultórios, farmácia, sala para paramentação, sala de observação, banheiros, vestiários e local de repouso para a equipe, foram implantadas algumas inovações que são específicas para o atendimento hospitalar, como a instalação de um sistema de filtragem de ar que evita a contaminação do ar externo. “Mesmo quando há a necessidade de internação do paciente sintomático respiratório, os fluxos que construímos permitem que eles sejam transportados de forma segura, evitando o contato com outros pacientes”, conclui Bonilha.
Os interessados em acompanhar as palestras poderão acessar o Fórum por meio do link a seguir: http://www.ibes.med.br/1o-forum-nacional-on-line-de-enfrentamento-ao-coronavirus/?fbclid=IwAR22ERlcJPUZ4Ce3luRQsOBXoRpmFReIvtUqbcQmOKBhsB977Jxkr2YTflY

Nascidos na quarentena: como se preparar para receber um bebê durante a pandemia

Além dos tradicionais nove meses de planejamento, é necessário cuidado redobrado para evitar possibilidades de contágio do Covid-19

A pandemia do novo coronavírus trouxe um clima de incerteza sobre o futuro, mas o mundo não para. As famílias que esperavam os bebês antes da quarentena seguem a rotina de planejamento e recepção da nova vida ao mundo. Para isso, profissionais de saúde que fazem parte do programa de prevenção “Casal Grávido”, da Cassems, deixam algumas orientações que ajudarão os pais a receberem os seus bebês com segurança e conforto.
A enfermeira obstetra e doula, Simone Albuquerque, pede atenção para a higiene ambiental e corporal. “Para receber os bebês de maneira apropriada, neste tempo, devemos ter o mínimo de objetos expostos em cima de bancadas e armários. A organização do quarto do bebê deve ser bastante cuidadosa, com ambiente arejado, ensolarado, sempre higienizando o chão com álcool 70% e desinfetante”.
É importante, ainda, evitar visitas familiares e de amigos em um primeiro momento, como apontado pela enfermeira e doula. “Deve-se evitar visitas para conhecer o recém-nascido, pois os bebês ainda estão com a imunidade em formação. Caso forem fazer visitas, é preciso ter todo cuidado possível, fazer o uso de máscaras, evitar pegar o bebê com a roupa que chega da rua. Se possível, deve-se tomar banho, trocar a roupa e lavar as mãos com água, sabão e álcool 70%”.
Além do ambiente no qual o bebê ficará, também é preciso ter atenção para os seus utensílios, de acordo com Simone. “Os pais devem sempre realizar a higienização de banheira, carrinho e outros utensílios e objetos usados pelo bebê, pois nós, adultos, manuseamos todos esses objetos”.
A pediatra Jheth Jeanne salienta para o cuidado com carinho. “O ‘ninho’ do bebê deve ser preparado com muito amor. Isso inclui a casa limpa, desinfectada e ventilada. Uma outra dica é ter sempre, ao alcance, álcool 70% para a higienização das mãos de quem for manusear o bebê”.
Jeth ressalta que as medidas de cuidado devem ser compartilhadas entre todas as pessoas que convivem na residência do bebê. “É importante evitar saídas, para reduzir o risco de trazer germes indesejados da rua para casa, neste momento. Se for necessário sair, lembre-se sempre de usar a máscara e, ao chegar em casa, se higienizar antes de tocar no bebê”.
Para os familiares e amigos que tiverem de esperar o fim da pandemia para conhecer o bebê pessoalmente, a tecnologia pode ser uma aliada, como explicado pela pediatra. “Aproveitem os recursos tecnológicos para fazer chamadas de vídeo e apresentar o bebê à toda família e amigos. São tempos difíceis, mas é preciso prezar pela saúde desta nova mamãe e deste novo ser que chega ao mundo”.

Sarah Santos
Ascom Cassems

Serviço de acolhimento psicológico por telefone da Cassems atende aos beneficiários de maneira sigilosa e gratuita

Beneficiários e colaboradores que se sentem fragilizados psicologicamente em decorrência da pandemia podem buscar auxílio no canal exclusivo

A Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems) lançou o serviço de acolhimento psicológico, via telefone, para beneficiários e colaboradores de todo o estado. O canal funciona por meio do telefone (67) 4001-6919, de segunda à sexta-feira, das 7h às 22h. O serviço é gratuito para usuários do plano de saúde e com a garantia de sigilo das informações.
Conforme explica a coordenadora de Psicologia da Cassems, Claudia Szukala, o plano de saúde preocupa-se com a saúde física e mental. “A Caixa dos Servidores sempre pensa no seu beneficiário como todo e, por isso, disponibilizamos um canal de atendimento psicológico onde qualquer beneficiário ou colaborador, de onde quer que ele esteja no estado, pode acessar de imediato uma pessoa para conversar. Do outro lado da linha, estarão psicólogos com muita experiência e prontos para ter uma escuta especializada para o que aquele indivíduo precisa no momento”.
A psicóloga Danielle Omine atende aos beneficiários por telefone e relata a sua experiência. “No canal de acolhimento psicológico tenho atendido pessoas que relatam suas preocupações e medos diante do cenário em que estamos vivendo. Quando conseguimos expressar em palavras e direcionamos essa fala à um profissional com a escuta qualificada, os sintomas de ansiedade, angústia, irritabilidade, inquietação podem dar lugar à outras possibilidades de nos posicionarmos em nossas vidas”.
Ela explica, ainda, que os beneficiários que buscarem o serviço serão atendidos com segurança e profissionalismo. “Estamos aqui para escutá-los, acolhê-los e proporcionar os encaminhamentos que forem necessários dentro de nossa rede de atendimento. Assim, juntos, poderemos passar por esse momento tão instável e preocupante que estamos vivendo”.
O profissional da Psicologia, Walkes Jacques Vargas, salienta que as mudanças na rotina decorrentes da pandemia podem trazer sofrimento para algumas pessoas e, por isso, é importante buscar uma escuta qualificada. “Precisamos estar atentos aos sinais corporais e mentais do nosso corpo, pois o organismo dá sinais quando precisamos ser olhados e cuidados”.
De acordo com Vargas, o canal de atendimento não oferece um tratamento clínico, mas uma oportunidade de acolhimento psicológico. “Atuar neste canal tem sido uma experiência muito rica. Nós acolhemos aos beneficiários e, quando necessário, realizamos o encaminhamento para um tratamento prolongado. Essa é mais uma alternativa de atendimento para os usuários do plano de saúde não ficarem desassistidos durante esse período”.
A Caixa dos Servidores busca trazer um serviço de escuta qualificada ao acolher os beneficiários para diminuir ao máximo o sofrimento psíquico individual e coletivo. Para isso, os psicólogos da Cassems estarão na retaguarda para os pacientes que necessitarem de ajuda e, com isso, contribuem para que os beneficiários passem por esse período de instabilidade em organização das suas ideias e pensamentos.
Serviço: O canal funciona por meio do telefone (67) 4001-6919, de segunda à sexta-feira, das 7h às 22h. O serviço é gratuito para beneficiários e colaboradores e com a garantia de sigilo das informações.

Sarah Santos
Ascom Cassems

Os jovens também precisam cuidar da saúde mental durante o período de isolamento social

É necessário que os pais tenham atenção para cuidados com seus filhos adolescentes, que podem ficar deprimidos com o afastamento da escola e dos amigos

Controlar a ansiedade se tornou desafio no contexto de incertezas e inseguranças da pandemia do novo coronavírus, para pessoas de todas as idades. Especificamente, para adolescentes, além de questões hormonais da faixa etária, as mudanças das relações familiares e sociabilidade podem provocar alterações no campo emocional e psicológico.
A adolescência já é, antes do Covid-19, uma etapa com registros de altos índices de crises de ansiedade, depressão e suicídio. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o suicídio é a segunda principal causa de morte de pessoas de 15 à 29 anos.
De acordo com a coordenadora de Psicologia da Cassems, Claudia Szukala, é importante que os pais tenham um olhar atento para os seus filhos adolescentes durante esse período. “A adolescência traz um turbilhão de emoções, é um momento em que o indivíduo encontra uma nova identidade. Por isso, é fundamental que os pais acompanhem, conversem e incentivem os seus filhos em seus anseios”.
Ainda, ela explica que o isolamento social traz o sentimento de tédio para os jovens e é preciso administrar o tempo livre. “Os adolescentes, hoje em dia, vivem em ritmo frenético, com muitas informações. Com a pandemia, o ritmo de vida desacelerou, é interessante que os jovens lidem de forma produtiva e saudável com esse ócio, se conectando com coisas que antes eles não tinham tempo para se conectar”.
A situação atual, que implica mudanças de rotina e incertezas sobre o futuro, pode ser um complicador na saúde mental dos jovens. Acompanhe uma série de dicas da Cassems para contribuir com a saúde mental dos adolescentes durante o isolamento social:

  • Caso sinta emoções como medo ou ansiedade, dê vazão a esses sentimentos e sensações. Chore, escreva em um papel o que está sentindo, converse com seus pais ou um amigo. Ter uma rede de apoio, neste momento, é muito importante.
  • A sociabilidade deve continuar, mas respeitando as normas de segurança vigentes. Para isso, é possível usar as ferramentas tecnológicas ao seu favor, organizando festas e piqueniques on-line com os amigos, por meio de ligações de vídeo.
  • Tenha responsabilidade com os conteúdos que assiste e cuidado com o que posta e com quem fala na internet.
  • Busque conhecimento. Em decorrência do Covid-19, diversas instituições renomadas oferecem cursos online e, muitas vezes, gratuitos. Pesquise assuntos de seu interesse e aproveite para pensar o seu futuro profissional. Mas cuidado com o produtivismo. Não se force a aprender tudo de uma vez
  • Você pode construir redes de apoio à comunidade, como coletivos online que promovam atos solidários ou páginas com informações relevantes para a época e com serviços locais sem divulgação.
  • Descanse! Longos períodos no celular ou no computador e a interação prolongada nas redes sociais causam desgastes físicos e, algumas vezes, emocionais. Deite-se no escuro um pouco para relaxar a visão, ouça músicas e desacelere.
  • Se o excesso de informações sobre a Covid-19 estiver te causando muitas apreensões, modere o acesso. Em cinco minutos de leitura diária, já é possível saber o necessário sobre as atualizações referentes à nova doença.
  • Ter um tempo sozinho é importante. Negocie com seus pais momentos de privacidade no quarto ou algum cômodo da casa.
  • Faça uma faxina no seu quarto, separe o que não usa mais e reserve para doação.

Sarah Santos
Ascom Cassems