ARTIGO: A importância do cuidado com a saúde mental durante a pandemia do coronavírus

Vivemos tempos difíceis, não há como negar. Se nos dissessem que 2020 começaria com o mundo sofrendo uma pandemia de coronavírus, muitos não acreditariam, até porque nossa geração nunca viveu uma situação como esta – pandemia era palavra conhecida apenas no dicionário.
O isolamento, o medo, os efeitos nocivos na economia, as mudanças na rotina das pessoas e as incertezas sobre o futuro têm afetado o equilíbrio psicológico da população.
Aqui no Brasil, antes mesmo de chegar o coronavírus, já havia estudos mostrando que somos um país com alto nível de ansiedade. E agora, como fica essa situação em tempo de pandemia? Provavelmente, teremos índices ainda maiores de elevação do nível de ansiedade e, consequentemente, um aumento de casos de doenças mentais.
As pessoas que não conseguirem cuidar de sua saúde mental terão grandes chances de desenvolverem depressão, transtorno do pânico, estresse pós-traumático, fobias, ou sentirem muito desânimo, desilusão, raiva, tédio, entre outros impactos negativos.
Afinal, como cuidar da sua saúde mental em tempos de tantas incertezas?
A primeira questão é a abundância de notícias e fake news, que fazem as pessoas mergulharem em um mundo negativo, aumentando o nível de ansiedade e estresse. É importante apenas se informar e controlar o impulso de procurar novidades sobre o assunto o tempo todo, porque isso estimula o cérebro a ter medo várias vezes por dia.
As pessoas que estão em quarentena precisam ficar atentas, pois o isolamento social também pode ter efeito negativo na saúde mental. Estabelecer uma rotina diária, fazer atividade física, cuidar da alimentação e conectar-se com amigos e familiares de forma virtual são pequenas atitudes que podem ajudar a diminuir o nível de ansiedade.
Precisamos estar atentos às relações humanas, pois ter apoio e ajuda das outras pessoas é importante nas situações de crise. Expressar como nos sentimos e saber que esses sentimentos expressados estão sendo acolhidos, e não julgados, diminui a ansiedade. E não apenas acolher o dos outros, mas também acolher os próprios sentimentos. Aproveitar esse momento para aprender a olhar para dentro de si, relembrar quais são os seus sonhos, seus objetivos e o que te motiva, ser mais flexível consigo e com os outros.
O que vai ajudar a determinar se a pessoa vai sair desta pandemia adoecida psiquicamente ou mais forte é a sua capacidade de resiliência, ou seja, de se recuperar de situações de crise e aprender com elas.
Pessoas que conseguirem ter a mente flexível e o pensamento otimista, ser criativas e criar novas formas de viver, aceitar a nova realidade, mesmo que ela seja menos interessante do que a vivida antes, sairão desta pandemia mais fortalecidas.
Diante da preocupação com a saúde mental de seus beneficiários e colaboradores, a Cassems abriu um novo serviço de psicologia, o acolhimento psicológico via telefone. Temos uma equipe de psicólogos pronta para uma escuta especializada, das 7h às 22h, de segunda a sexta. O telefone de acesso é 4001-6919.
O importante é que as pessoas cuidem de sua saúde mental, para que não tenhamos um aumento significativo de casos de doenças mentais depois da pandemia.


Por Claudia Szukala, coordenadora de Psicologia da Cassems

Psicóloga, mestre em Psicologia da Saúde e especialista em Musicoterapia e Psicoterapia de Orientação Psicanalítica. Atualmente, é coordenadora do Setor de Psicologia da Cassems, psicóloga clínica e professora do curso de Psicologia da FCG-Facsul.