No dia do geriatra, especialista chama atenção para a saúde do idoso

A geriatria cuida da promoção de um envelhecimento saudável ao tratamento e reabilitação do idoso

O Dia do Geriatra é comemorado nesta sexta-feira, dia 15 de maio. A data faz alusão à especialidade médica que se dedica ao envelhecimento e cuidado com a saúde do idoso. O processo de envelhecimento impacta no comportamento orgânico e pede abordagens diferenciadas. Neste sentido, o geriatra auxilia o idoso e à sua família, nas orientações para o tratamento apropriado.
Ana Paula Penaforte, geriatra que atua na Clínica da Família Cassems, explica que os processos do envelhecimento são naturais. “O indivíduo vivencia o envelhecimento desde o útero da mãe, até os últimos dias de sua vida. É preciso ter essa consciência e buscar envelhecer de maneira saudável”.
Para a médica, é fundamental buscar a assistência à saúde de um geriatra ao chegar na melhor idade, para realizar a prevenção à saúde de maneira mais adequada. “Existem diferenças entre um organismo adulto e um mais idoso. Quando o especialista é treinado, especificamente, para acompanhar esse processo, os resultados podem ser melhores. Além disso, os cuidados com o paciente podem estar concentrados em um especialista apenas, ao invés de enviá-lo para diversos outros especialistas sem que tenha necessidade”.
Ainda, com o geriatra, é possível estabelecer uma relação de confiança entre médico e paciente. De acordo com Ana Paula, a família tem um papel importante nesse bom relacionamento.
“Aqueles que acumularam, ao longo da vida, diversas experiências boas e ruins com médicos, dependem muito de uma boa relação com o profissional, para estabelecer vínculo e o tratamento ser mais efetivo. A relação entre médico e paciente é uma das questões mais importante para o sucesso das terapias, sejam medicamentosas ou não. No caso do paciente idoso, a relação com a família também se faz importante, porque muitos deles acabam dependendo dos familiares, de acordo com as patologias que eles têm. Além do paciente, os familiares devem estar interligados com o geriatra, para interagir em um bom nível com o médico”.

Miriam Ibanhes
AssCom Hospitais Cassems