Os jovens também precisam cuidar da saúde mental durante o período de isolamento social

É necessário que os pais tenham atenção para cuidados com seus filhos adolescentes, que podem ficar deprimidos com o afastamento da escola e dos amigos

Controlar a ansiedade se tornou desafio no contexto de incertezas e inseguranças da pandemia do novo coronavírus, para pessoas de todas as idades. Especificamente, para adolescentes, além de questões hormonais da faixa etária, as mudanças das relações familiares e sociabilidade podem provocar alterações no campo emocional e psicológico.
A adolescência já é, antes do Covid-19, uma etapa com registros de altos índices de crises de ansiedade, depressão e suicídio. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o suicídio é a segunda principal causa de morte de pessoas de 15 à 29 anos.
De acordo com a coordenadora de Psicologia da Cassems, Claudia Szukala, é importante que os pais tenham um olhar atento para os seus filhos adolescentes durante esse período. “A adolescência traz um turbilhão de emoções, é um momento em que o indivíduo encontra uma nova identidade. Por isso, é fundamental que os pais acompanhem, conversem e incentivem os seus filhos em seus anseios”.
Ainda, ela explica que o isolamento social traz o sentimento de tédio para os jovens e é preciso administrar o tempo livre. “Os adolescentes, hoje em dia, vivem em ritmo frenético, com muitas informações. Com a pandemia, o ritmo de vida desacelerou, é interessante que os jovens lidem de forma produtiva e saudável com esse ócio, se conectando com coisas que antes eles não tinham tempo para se conectar”.
A situação atual, que implica mudanças de rotina e incertezas sobre o futuro, pode ser um complicador na saúde mental dos jovens. Acompanhe uma série de dicas da Cassems para contribuir com a saúde mental dos adolescentes durante o isolamento social:

  • Caso sinta emoções como medo ou ansiedade, dê vazão a esses sentimentos e sensações. Chore, escreva em um papel o que está sentindo, converse com seus pais ou um amigo. Ter uma rede de apoio, neste momento, é muito importante.
  • A sociabilidade deve continuar, mas respeitando as normas de segurança vigentes. Para isso, é possível usar as ferramentas tecnológicas ao seu favor, organizando festas e piqueniques on-line com os amigos, por meio de ligações de vídeo.
  • Tenha responsabilidade com os conteúdos que assiste e cuidado com o que posta e com quem fala na internet.
  • Busque conhecimento. Em decorrência do Covid-19, diversas instituições renomadas oferecem cursos online e, muitas vezes, gratuitos. Pesquise assuntos de seu interesse e aproveite para pensar o seu futuro profissional. Mas cuidado com o produtivismo. Não se force a aprender tudo de uma vez
  • Você pode construir redes de apoio à comunidade, como coletivos online que promovam atos solidários ou páginas com informações relevantes para a época e com serviços locais sem divulgação.
  • Descanse! Longos períodos no celular ou no computador e a interação prolongada nas redes sociais causam desgastes físicos e, algumas vezes, emocionais. Deite-se no escuro um pouco para relaxar a visão, ouça músicas e desacelere.
  • Se o excesso de informações sobre a Covid-19 estiver te causando muitas apreensões, modere o acesso. Em cinco minutos de leitura diária, já é possível saber o necessário sobre as atualizações referentes à nova doença.
  • Ter um tempo sozinho é importante. Negocie com seus pais momentos de privacidade no quarto ou algum cômodo da casa.
  • Faça uma faxina no seu quarto, separe o que não usa mais e reserve para doação.

Sarah Santos
Ascom Cassems